22 de julho de 2014
Giro de Notícias
Professores da rede estadual aderem a movimento nacional e param atividades por dois dias na Paraíba deixando mais de 400 mil alunos sem aula

Professores da rede estadual aderem a movimento nacional e param atividades por dois dias na Paraíba deixando mais de 400 mil alunos sem aula

Mais de 400 mil estudantes  ficam sem aula a partir desta quarta-feira (24) na Paraíba durante a paralisação dos professores e servidores da rede estadual de ensino. As aulas nas 804 escolas ficam suspensas até quinta-feira (25)A categoria é contra a medida provisória 196, que anula as progressões do Plano de Cargo, Carreira e Remuneração (PCCR). O protesto é para mobilizar a categoria por melhorias na educação e no piso salarial.De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da Paraíba (Sintep-PB), a paralisação integra as atividades da VI Marcha Nacional pela Educação, que ocorre amanhã em Brasília. Segundo Paulo Tavares, Secretário Geral da CUT-PB, representante da Sintep-PB, os trabalhadores estão reivindicando o cumprimento da Lei do Piso Nacional do Magistério, que determina o piso de R$ 1.451, que ainda não é respeitado em vários Estado, inclusive na Paraíba. “Além disso, também estamos cobrando a aprovação da destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação até 2020”, destacou o sindicalista. Entre as bandeiras de luta estão ainda a Aprovação do Plano Nacional de Educação, da valorização do Plano de Carreira e da normatização da Jornada de Trabalho. Em Campina Grande as escolas da rede estadual amanheceram hoje com as portas fechadas.

Aparalisação nacional fez com que os professores da rede municipal de ensino de João Pessoa também paralisassem suas atividades reivindicando a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), a valorização da carreira profissional, e a destinação dos royalties do petróleo e do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação. A paralisação acontece ainda na quarta-feira (24) e quinta-feira (25).

Em Campina Grande os servidores de educação estão em greve há 60 dias. Na última assembleia, realizada na segunda-feira (22) na AABB, eles decidiram suspender a paralisação e retomar suas funções a partir da próxima segunda,(29).

PBAgora

 

 

Comente esta notícia usando Facebook, Yahoo, AOL ou Hotmail:

Os comentários estão fechados.