Publicidade

OPERAÇÃO POLICIAL BASEADA EM DENÚNCIA ANÔNIMA

Uma operação realizada pela polícia civil de Ingá em 03 de março de 2018, prendeu diversas pessoas em flagrante no Ginásio Esportivo em construção no bairro do São José/Estação, com posse de drogas. A operação foi posta em prática após denúncias anônimas que contribuíram decisivamente para o êxito da operação 

AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO

Um dos acusados, Messias dos Santos Silva, residente no bairro da Estação, participou de audiência de instrução e julgamento no fórum da Comarca de Ingá, ato este que foi ouvido as testemunhas do mistério público, dois policiais civis, uma testemunha de defesa e o próprio réu assistido por seu advogado, tendo este negado que as 15 trouxinhas de maconha em sua posse e apreendida pela polícia tenha sido para venda, como alegou a promotora de justiça, Dra. Claudia Cabral Cavalcante, e sim para o consumo próprio. 

SENTENÇA CONDENATÓRIA 

Ao final da audiência, após ouvir as alegações finais das partes, a Juíza Isabelle Braga Guimarães de Melo, acatou a tese da acusação diante das circunstâncias levantadas na investigação, restou comprovado que o produto apreendido destinava-se também a venda, e fundamentada no Artigo 33 da  Lei 11.346/2016, considerando ainda o mal comportamento e reincidência do acusado, condenou o réu Messias dos Santos Silva a cinco anos e nove meses de reclusão, mantendo a prisão em regime fechado e descontando o tempo da prisão preventiva já cumprida, restando cinco anos e seis meses. O réu foi conduzido a Cadeia Pública de Ingá para o início do cumprimento da pena. 

DEFESA IRÁ RECORRER 

A defesa do réu na pessoa do advogado, Dr. Josevaldo Alves de Andrade Segundo, irá recorrer da decisão por entender que a quantidade da droga apreendida é de pequena monta destinada apenas ao consumo, além da impetração de habeas corpus para o cumprimento inicial da pena no regime semi-aberto. 

Ingá Cidadão 

 

Comente usando o Facebook

Publicidade