Publicidade

As prefeituras de Mogeiro e Juripiranga comunicaram às respectivas populações que não farão a distribuição de pescado nesta Semana Santa de 2015, alegando a crise econômica que restringe a capacidade de investimento das administrações públicas nos pequenos municípios que sobrevivem do FPM. O prefeito de Juripiranga, Paulo Dália, disse que as constantes quedas de receita fazem com que os gestores priorizem a manutenção dos serviços essenciais e “está sendo muito difícil manter o equilíbrio financeiro”.

Para o prefeito Dália, mais importante é pagar em dia o funcionalismo e garantir melhoria de salários. Nesse sentido, o Poder Executivo de Juripiranga enviou Projeto de Lei à Câmara dos Vereadores que concede aumento de 13,01% aos profissionais do Magistério, PL nº 004/2015 que foi aprovado por unanimidade pelos vereadores.

CRÍTICA

A oposição aproveitou o comunicado do prefeito Paulo Dália para criticar a decisão tomada. Para alguns vereadores do bloco oposicionista, o prefeito quebra uma tradição na cidade, que é a distribuição de peixe na Semana Santa às famílias carentes. O vereador Heitor Alexandre apontou “outras receitas como a venda dos camarotes da festa de São Sebastião que poderia ser destinada à compra dos peixes”, afirmou. O vereador Rozil Pereira disse que se tratava de “falta de planejamento por parte da Prefeitura e falta de interesse do prefeito, que tem muitos amigos empresários do ramo peixeiro que poderiam fazer doações”.

Em Mogeiro, o prefeito é irmão de um dos maiores empresários de peixe do Brasil, e mesmo assim faltará peixe na Semana Santa para os pobres do Município, conforme apurou a Tribuna do Vale.

Em Itabaiana, a assessoria de comunicação garantiu que serão distribuídas cerca de sete toneladas de pescado na zona rural e na cidade. “Uma megaestrutura envolvendo secretarias, servidores, carros frigoríficos e vários pontos de distribuição está sendo montada para garantir que o pescado chegue às famílias mais carentes a partir desta quinta-feira”, informou Carlão Mélo, da Ascom. As famílias beneficiadas são, prioritariamente, as que já estão cadastradas nos Centros de Referência em Assistência Social.

Tribuna do Vale

Comente usando o Facebook

Publicidade