Publicidade

7 presos do regime semi-aberto e 4 do aberto foram liberados pela justiça para passar o dia dos pais em casa com a família neste final de semana. Os 11 presos estão liberados no período desta sexta dia 09 de agosto, e com obrigação de retorno às 19:00 h da segunda-feira dia 12.

Entenda as regras para ‘saidinhas’ de presos no Brasil

Dia dos Pais e a saída temporária de condenados por crimes hediondos, como Nardoni e Suzane, reacende debate e provoca reações de Bolsonaro e Moro; conheça as regras previstas na legislação penal

 

SÃO PAULO – Prevista por lei desde 1984, a Lei de Execução Penal (LEP), que prevê o direito à “saidinha” de presos em determinadas ocasiões, causa, anualmente, rebuliço nas redes sociais na véspera de determinadas datas comemorativas.

É o caso, por exemplo, da saída de Suzane von Richthofen da prisão no Dia das Mães, mesmo condenada a 40 anos de prisão pela morte dos pais, em 2002; e de Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha Isabella Nardoni, em 2008, e que irá deixar a Penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, pela primeira vez no Dia dos Pais, neste domingo, 11

Alexandre Nardoni

O advogado Alexandre Nardoni no momento da sua prisão preventiva, em São Paulo, em 2008 Foto: Nilton Fukuda/Estadão
 

A professora de Direito Penal da Universidade Presbiteriana Mackenzie Erika Chioca Furlan ressalta que a “saidinha” da penitenciária não se trata de um benefício e, sim, de um direito do preso. 

“É uma forma de fazer com os sentenciados reingressem à sociedade. Nessas saídas, o preso consegue conviver com a família, sem vigilância direta do Estado”, explica Erika.

A LEP contempla somente presos em regime semiaberto, que tenham bom comportamento e tenham cumprido determinado período da pena. Alexandre Nardoni, réu primário, condenado a 40 anos de prisão, obteve, há três meses, progressão para o semiaberto concedida pela juíza Sueli Zeraik, da 1ª Vara de Execuções Penais de Taubaté. 

Como já cumpriu um sexto da pena, Nardoni também passa a ter direito à “saidinha” – além de poder deixar a prisão para trabalhar ou estudar, tendo de voltar, obrigatoriamente, à prisão durante o período da noite. A mulher dele, Anna Carolina Jatobá, condenada pelo mesmo crime, recebe o benefício de saída desde 2017.  

A “saidinha” foi criticada nesta quinta-feira, 8, pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), em post no Twitter e endossada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

 

– O caso Isabella, ocorrido em 2008, repercutiu em todo o Brasil. A criança de 5 anos foi jogada pela janela de seu apartamento. Hoje o pai, condenado pelo assassinato, é beneficiado pela saída temporária de dia dos pais. Uma grave ofensa contra todos os brasileiros. Lamentável!

28,1 mil pessoas estão falando sobre isso
 
 

“Tem coisas na legislação brasileira que não dá para entender”, escreveu Moro, além de acrescentar que, no projeto de Lei Anti Crime, consta a proibição de saídas temporárias da prisão para condenados por crimes hediondos.

Sergio Moro

@SF_Moro

 

Tem coisas na legislação brasileira que não dá para entender, como diz o PR @jairbolsonaro. Estamos trabalhando para mudar. No projeto de lei anticrime, consta a vedação de saídas temporárias da prisão para condenados por crimes hediondos. https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1159556289590177794 

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

 

– O caso Isabella, ocorrido em 2008, repercutiu em todo o Brasil. A criança de 5 anos foi jogada pela janela de seu apartamento. Hoje o pai, condenado pelo assassinato, é beneficiado pela saída temporária de dia dos pais. Uma grave ofensa contra todos os brasileiros. Lamentável!

13 mil pessoas estão falando sobre isso
 
 

padre Fábio de Melo também se manifestou contrariamente à “saidinha”. “Não entendo de leis, mas a ‘saidinha’ deveria ser permitida somente no Dia de Finados. Para que visitassem os túmulos dos que eles mataram”, escreveu.

padrefabiodemelo

@pefabiodemelo

 

Não entendo de leis, mas a “saidinha” deveria ser permitida somente no dia de finados. Para que visitassem os túmulos dos que eles mataram. https://twitter.com/g1/status/1159449180382932992 

G1

@g1

 

Condenado pela morte da filha, Alexandre Nardoni deixa presídio pela 1ª vez em ‘saidinha’ do Dia dos Pais https://glo.bo/2M7yQrk  #G1

Ver imagem no Twitter
52,2 mil pessoas estão falando sobre isso
 
 

Segundo a professora do Mackenzie, são concedidos cinco “saidinhas” anualmente – no calendário do Estado de São Paulo, constam, além do período entre Natal ano-novoPáscoaDia das Mães, Dia dos Pais e Dia de Finados. 

Entenda como funciona a ‘saidinha’

Como funciona a ‘saidinha’ temporária dos presos? 

As saídas temporárias estão fundamentados na Lei de Execuções Penais (Lei n° 7.210/84) e os princípios nela estabelecidos. Ocorrem em datas comemorativas específicas, como Natal, Dia das Mães e Dia dos Pais, para confraternização e visita aos familiares. 

“A Lei é específica para quem está no regime semiaberto porque é uma forma paulatina de fazer com que esses sentenciados reingressem à sociedade. Nessas saídas, o preso consegue conviver com a família, sem vigilância direta do Estado”, explica Erika.

A especialista explica que, durante um ano, são concedidas cinco saídas, que podem durar até sete dia. Nos dias que antecedem tais datas, o juiz da Vara de Execuções Penais edita uma portaria que determina os critérios para concessão do benefício da saída temporária e as condições impostas aos presos, como o retorno no dia e hora determinados.

Durante a “saidinha”, o preso deve manter o mesmo comportamento que tem dentro do presídio ou no trabalho externo. Ele não pode, portanto, frequentar bares, boates, se embriagar, andar armado ou praticar qualquer delito. 

Quem criou a lei da ‘saidinha’? Desde quando ela existe? 

A Lei n° 7.210/84, que institui a “saidinha”, foi sancionada durante a ditadura militar pelo então presidente da República João Figueiredo (Arena), em 1984.

Quais são os requisitos para saída temporária? Quem tem direito?

Para conseguir o direito à saída temporária – “as pessoas chamam de benefício, é direito, está previsto na lei”, ressalta a professora do Mackenzie -, o sentenciado tem de ter um bom comportamento prisional e ter cumprido o mínimo de um sexto da pena se for réu primário e um quarto se for reincidente. 

“A maioria dos presos consegue esses requisitos porque, para progredirem do regime fechado para o semiaberto, eles só precisam cumprir uma fração da pena. Então, quando eles estão no semiaberto, já estão com o requisito temporal cumprido, tudo o que precisam é manter o bom comportamento”, explica Erika.

Segundo ela, os funcionários do presídio mandam uma lista com o nome dos contemplados para um juiz de execução penal. Em seguida, o magistrado consulta o Ministério Público e, então, concede a saída. O benefício não se aplica aos presos que estejam sob investigação, respondendo a inquérito disciplinar ou que tenham recebido sanção disciplinar.

Condenados por crimes hediondos têm direito à ‘saidinha’?

Sim, condenados por crimes hediondos têm direito à “saidinha”, desde que estejam em regime semiaberto. De acordo com o Código Penal brasileiro, são considerados hediondos os crimes de latrocínio, extorsão qualificada pela morte, extorsão mediante sequestro e na forma qualificada, estupro, atentado violento ao pudor, epidemia com resultado morte, envenenamento de água potável ou de substância alimentícia ou medicinal e genocídio – tentados ou consumados. 

Suzane von Richthofen

 
Suzane von Richthofen foi condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais Foto: Robson Fernandjes / Estadão

Em quais datas comemorativas os presos têm direito à saída temporária? 

Em São Paulo, as saídas são concedidas em:

  • Natal/ano-novo
  • Páscoa
  • Dia das Mães
  • Dia dos Pais
  • Finados

Apenas presos no regime semiaberto tem direito à ‘saidinha’?

Sim, somente os presos em regime semiaberto têm direito à saidinha. Os presos em regime fechado só podem deixar a prisão quando houver falecimento de cônjuge ou ascendente, descendente ou irmão; ou necessidade de tratamento médico. “O próprio diretor do presídio pode liberar os presos em regime fechado nessas condições para sair, caso eles tenham condições de fazer a escolta e tudo mais”, diz Erika.

Qual a diferença entre indulto e saída temporária?

Ao contrário da saída temporária, o indulto é editado anualmente pelo presidente da República, no dia 25 de dezembro, e pode ou não conceder a liberdade para detentos que cumpram os requisitos determinados naquele ano. 

Segundo a LEP nº 8.072/90, não podem ser beneficiados os condenados que cumprem pena pelos crimes de tortura, terrorismo, tráfico de entorpecentes e os condenados por crime hediondo. O preso também deve ter bom comportamento e não responder a processo por outro crime de violência.

“É importante ressaltar que não é uma saída automática todo dia 25 de dezembro, o preso tem que cumprir requisitos. No ano seguinte, os contemplados entram com o pedido de soltura, que é analisado por um juiz de execução penal e pode receber ou não um parecer positivo do conselho penitenciário”, resume Erika.

 

Comente usando o Facebook

Publicidade