Publicidade

Há uma semana da partida mais decisiva do ano, o Flamengo conheceu os seus maiores adversários: os problemas físicos e o elenco curto. Mas mesmo esfacelado para enfrentar o Fortaleza, nesta quarta-feira, Jorge Jesus conseguiu fazer milagre. A vitória por 2 a 1 no Castelão foi emblemática por ser nos acréscimos e com gol de Reinier, que fez valer a desconvocação da seleção brasileira sub-17 e toda a polêmica junto a CBF.

O rubro-negro segue líder do Brasileiro, agora com 61 pontos, e comemora apesar de não ter tido uma noite brilhante. O Flamengo foi a campo com oito desfalques, sendo cinco titulares — Arrascaeta, Bruno Henrique, Everton Ribeiro, Filipe Luís e Rafinha —, e ainda perdeu Lucas Silva aos 15 minutos.

Não houve entrosamento que resistisse a tantas mudanças. Sem criatividade e espaçado, o rubro-negro virou uma equipe comum diante do Fortaleza — evidenciado pela péssima atuação de João Lucas, o mais explorado do sistema defensivo. De quebra, Gabigol revelou estar “se sentindo tonto” e Gerson foi substituído no intervalo por cansaço.

Uma das poucas características que este Flamengo lembrou do líder absoluto do Brasileiro foi a busca incessante pela posse da bola. Foram 68% de domínio, mas não convertido em gol.

O jogo parecia ter ido por água abaixo quando Pablo Marí cortou o cruzamento de Tinga com o braço. Pênalti assinalado após consulta ao VAR e convertido após cobrança de Bruno Melo.

Felizmente, a tecnologia também apareceu à favor do Flamengo. O árbitro de vídeo enxergou toque de mão de Quintero após cabeçada de Rodrigo Caio e apontou a marca da cal. Gabigol honrou o apelido e empatou.

Então, veio o momento chave. Reinier apareceu para cabecear no ângulo após lateral para a área e desvio de Vitor Gabriel. Gol com cara de campeão e que tornou o meia herói em uma semana onde esteve nos holofotes.

Extra Online 

Comente usando o Facebook

Publicidade