Publicidade

Neeson foi acusado de racismo, mas nega ter preconceito.

O ator Liam Neeson virou pivô de uma polêmica após ter admitido em uma entrevista ao jornal britânico The Independent ter saído de casa com a intenção de tentar matar um homem negro.

Neeson foi acusado de racismo, mas nega ter preconceito.

O comentário apareceu em uma entrevista de promoção do seu novo filme, Vingança a Sangue Frio, em que um homem tenta punir os responsáveis pelo assassinato de seu filho.

Questionado sobre o comportamento de seu personagem, o ator britânico de 66 anos respondeu que “algo primitivo” surge em alguém quando uma pessoa próxima é vítima de violência.

“Deus te livre de ter alguém da família ferido em uma situação criminosa. Vou te contar uma história. É verdadeira.”

Em seguida, relatou que, há 40 anos, após voltar de uma viagem ao exterior, uma pessoa próxima, que morreu há cinco anos, contou ter sido vítima de violência sexual.

“Ela lidou com o estupro de uma forma extraordinária. Mas a minha reação imediata foi… Perguntei a ela ‘você conhece quem fez isso?’ Não. ‘Qual era a cor dele?’ Ela disse que tinha sido uma pessoa negra”, disse Neeson.

O ator disse ter saído em busca de um alvo para extravasar sua raiva. “Percorri as ruas armado com um bastão, torcendo para que alguém me abordasse – tenho vergonha de dizer isso – e o fiz por talvez uma semana, esperando que [o ator faz o sinal de aspas com os dedos] um ‘negro desgraçado’ saísse de um bar e tentasse arrumar confusão, sabe? Só para eu poder matá-lo.”

Na mesma entrevista Neeson, disse: “É horrível, horrível que isso tenha acontecido. Nunca admiti, e agora falo isso para um jornalista. Deus que me perdoe. Foi terrível, mas serviu como lição “.

As declarações provocaram muitas críticas ao ator. O jornalista que fez a entrevista, Clémence Michallon, disse à BBC News que “qualquer um que ouvisse o que ele relatou ficaria chocado e atônito de várias formas, e ele mesmo diz ter vergonha do que pensava e fala que que é algo horrível”.

Carla Hall, colunista do jornal Los Angeles Times, escreveu que esse tipo de comportamento é “desprezível”, acrescentando que agora ela quer que o ator fale se conseguiu lidar com “qualquer tipo de racismo que ainda tenha”.

“Ele era um racista ou apenas um homem abalado, capaz de ser violento para se vingar? Ou era ambos? Claro, ele era racista. Ele perambulou pelas ruas tentando encontrar um homem negro qualquer para matar e deu todas as provas de ser capaz de ser violento. É uma combinação explosiva. A revelação é profundamente perturbadora. A questão é: quanto ele mudou desde então?”

Neeson negou nesta terça-feira ao programa Good Morning America, da emissora americana ABC, ser preconceituoso: “Não sou racista”.

Ele explicou que “nunca tinha sentido nada parecido antes”. “Foi um impulso primitivo de atacar alguém. Neeson reafirmou ter percorrido “deliberadamente áreas frequentadas por negros da cidade, esperando ser provocado para que pudesse reagir com violência física”. E acrescentou: “Fiz isso talvez quatro ou cinco vezes.”

Neeson disse à ABC que teria agido dessa forma independentemente do agressor. “Se ela tivesse dito que foi um irlandês, um escocês, um britânico ou um lituano, eu teria – sei que teria – a mesma reação. Estava tentando mostrar a minha honra, defender a minha amiga querida de uma maneira terrivelmente medieval.”

Neeson afirmou sobre sua atitude: “Fiquei chocado e ferido. Procurei ajuda”. O ator disse ter procurado um padre para se confessar e passado a fazer caminhadas de duas horas por dia para tentar superar sua raiva.

Na entrevista à ABC, Neeson afirmou ainda que sua intenção ao fazer tais comentários era iniciar um debate mais amplo sobre racismo.

Questionado sobre o que desejava que as pessoas aprendessem com sua experiência, ele disse: “A conversar. A se abrir. Todos fingimos que somos politicamente corretos neste país. No meu também [Neeson é irlandês]. Às vezes, você arranha a superfície e descobre esse racismo e fanatismo que estão lá”.

ClickPB

Comente usando o Facebook

Publicidade