‘Rainha das Plásticas’ chega para prestar depoimento à polícia sobre morte da MC Atrevida

Wania Tavares afirma que hidrolipo à qual a funkeira foi submetida seguiu as regras. Fernanda Rodrigues, de 43 anos, morreu na segunda (27).

Wania Tavares, dona da clínica onde a MC Atrevida fez um procedimento estético antes de morrer, chegou às 11h desta sexta-feira à 20ª DP (Vila Isabel) para prestar depoimento.

Wania se autointitula ‘Rainha das Plásticas’. Na quinta-feira, a clínica onde Fernanda foi atendida foi interditada pela Polícia Civil.

Wania Tavares, conhecida como Rainha das Plásticas, chega para prestar depoimento sobre morte de MC Atrevida — Foto: Henrique Coelho/ G1

Como o G1 mostrou, o estabelecimento não possui alvará para realizar procedimentos estéticos.

Em uma rede social, Wania afirmou que o estabelecimento seguiu todas as regras previstas. A cantora passou mal e morreu na última segunda-feira (27).

“Eu não gostaria de falar agora, eu gostaria de esperar os laudos. Porém, como vai sair na TV, eu já vou explanando porque vocês têm o direito de já saber. Eu estou com a minha consciência supertranquila quanto ao procedimento, que foi feito corretamente”, afirmou Wania em uma transmissão pela internet.

Na fachada da clínica, o apelido e uma foto dela com uma coroa na cabeça estão expostos.

Wania Tavares, que se autointitula 'Rainha das Plásticas' — Foto: Reprodução/ TV Globo

Wania Tavares, que se autointitula ‘Rainha das Plásticas’ — Foto: Reprodução/ TV Globo

MC Atrevida chegou a ser internada no Hospital Evandro Freire, na Ilha do Governador, mas não resistiu. A declaração de óbito apontou morte por infecção generalizada causada por inflamação na pele.

Em uma rede social, Wania chega a ter 45 mil seguidores e faz propaganda dos procedimentos.

“Aqui é a Wania, rainha das plásticas. Nós temos as nossas plásticas aqui, as nossas consultas, valores populares e estou com três clínicas para atender as minhas meninas”, disse ela, em outro vídeo postado na internet.

A MC procurou a clínica no dia 16 de julho para fazer uma cirurgia estética e optou por pela hidrolipo com enxerto. No procedimento, gordura é retirada das costas e injetada nos glúteos. Ela pagou R$ 3 mil.

“Ela começou a passar mal. No segundo dia já depois da cirurgia ela reclamava muito de dores, que ela estava sentindo muitas dores no glúteo. Muitas dores e que as dores não passavam. E logo após ela começou a vomitar muito e eu achei que aquilo não era normal”, explicou Janine Vieira, amiga da cantora.

Funkeira Fernanda Rodrigues, a MC Atrevida, morreu no dia 27 desse mês após um procedimento em uma clínica de estática em Vila Isabel — Foto: Reprodução / TV Globo

Funkeira Fernanda Rodrigues, a MC Atrevida, morreu no dia 27 desse mês após um procedimento em uma clínica de estática em Vila Isabel — Foto: Reprodução / TV Globo

Familiares e amigos denunciam que a clínica não deu nenhum suporte quando Fernanda começou a passar mal.

“Eu pedi, eu praticamente implorei o número dos médicos e mesmo assim elas não quiseram me dar. Elas não deram suporte sequer para a Fernanda. Infelizmente, elas acabaram com a vida dela. Elas acabaram com o sonho de uma pessoa, entendeu?”, disse Janine.

De acordo com as amigas de MC Atrevida, o médico que fez o procedimento foi Wilson Ernesto Galarza Jara. Segundo informações publicadas na internet, Wilson teria especialidade em ginecologia e ortopedia.

Depois do procedimento estético, a MC chegou a avisar a clínica que estava sentindo muita dor.

“As costas da hidrolipo dói [sic] um pouco mesmo. Um pouco, não. Dói bastante. É normal essa incomodação [sic] no começo, vai incomodar um pouco mesmo”, disse a recepcionista da clínica.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) informou que vai abrir uma investigação sobre o caso e que os médicos que fazem este tipo de procedimento têm que ser especialistas em cirurgia plástica.

A TV Globo não conseguiu contato com o médico Wilson Ernesto Jara.

G1

Comente usando o Facebook