sábado, fevereiro 24, 2024
spot_img
HomeJustiçaPromotora encaminha ao MPF investigação de possível crime de xenofobia cometido por...

Promotora encaminha ao MPF investigação de possível crime de xenofobia cometido por noiva de jogador do Botafogo-PB

A polêmica aconteceu após Adriana publicar uma série de vídeos curtos em seu perfil no Instagram em que fazia comentários irônicos sobre o sotaque, os costumes e o jeito de andar do paraibano.

O Núcleo de Gênero, Diversidade e Igualdade Racial (Gedir) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) encaminhou para o Ministério Público Federal (MPF), nesta terça-feira (7), um procedimento para investigar possível crime de xenofobia cometido por uma mulher identificada por Adriana Borba, que é catarinense e noiva do jogador Léo Campos, do Botafogo da Paraíba.

A polêmica aconteceu após Adriana publicar uma série de vídeos curtos em seu perfil no Instagram em que fazia comentários irônicos sobre o sotaque, os costumes e o jeito de andar do paraibano.

A coordenadora do Gedir, promotora de Justiça Liana Espínola, justifica a decisão por duas razões. “A primeira é que o crime, em tese, cometido é objeto de tratado ou convenção internacional que o Brasil se comprometeu a combater (já que a xenofobia é tratada por lei como racismo)”.

A segunda, de acordo com a promotora, é  “que houve transnacionalidade  porque os comentários preconceituosos veiculados na rede social eram, ao tempo de sua publicação, acessíveis no exterior, posto que feitos em perfil aberto.E, ainda que a agente tenha  apagado  a  publicação,  quando  se  deu  conta  da  repercussão  negativa,  até  a exclusão da postagem, transcorreu tempo suficiente para que esta gerasse interesse e repercussão online.”

O procedimento foi encaminhado para o procurador da República do 1º Ofício da Capital, José Godoy Bezerra de Souza.

Depois da repercussão, a noiva do jogador tentou se justificar, dizendo que tudo não passou de uma “brincadeira”. As postagens dela viralizaram nas redes sociais e ela acabou encerrando a sua conta na rede social. O jogador Léo Campos também pediu desculpas.

Confira a nota do Gedir/MPPB na íntegra:

“O Núcleo de Gênero, Diversidade e Igualdade Racial do Ministério Público da Paraíba (Gedir/MPPB) encaminhou, nesta terça-feira (07/02), ao Ministério Público Federal (MPF) o procedimento instaurado para apurar eventual prática de xenofobia em comentários sobre o sotaque e costumes nordestinos, veiculados nas redes sociais por Adriana Borba, companheira de um jogador de futebol do Botafogo da Paraíba. A xenofobia é tratada por lei como racismo e processada como tal. O procedimento foi encaminhado para o procurador da República do 1º Ofício da Capital, José Godoy Bezerra de Souza.

Conforme a coordenadora do Gedir, a promotora de Justiça Liana Espínola, a atribuição para a matéria é do MPF, principalmente, por duas razões. A primeira é que o crime, em tese, cometido é objeto de tratado ou convenção internacional que o Brasil se comprometeu a combater (já que a xenofobia é tratada por lei como racismo). A segunda é que houve transnacionalidade  porque os comentários preconceituosos veiculados na rede social eram, ao tempo de sua publicação, acessíveis no exterior, posto que feitos em perfil aberto. E, ainda que a agente tenha  apagado  a  publicação,  quando  se  deu  conta  da  repercussão  negativa,  até  a exclusão da postagem, transcorreu tempo suficiente para que esta gerasse interesse e repercussão online.”

ClickPB

Comente usando o Facebook

DESTAQUES
spot_img
spot_img

Popular