Publicidade

Yasmin da Silva Nery, de 16 anos, estava desaparecida desde domingo e partes do corpo dela foram deixadas em 3 locais de Araraquara (SP). Suspeito do crime é um adolescente de 17 anos.

O pai de adolescente Yasmin da Silva Nery, de 16 anos, que foi encontrada morta e esquartejada na tarde desta segunda-feira (10), em Araraquara (SP), disse que já esperava pelo pior. A menina estava sendo procurada desde domingo (9) quando não respondeu mais aos contatos da família.

Um jovem de 17 anos foi detido suspeito do crime e teria deixado partes do corpo da vítima em três pontos da cidade, segundo a Polícia Civil. Uma adolescente suspeita de envolvimento também foi detida e é ouvida pela polícia. A motivação ainda não foi esclarecida.

“Eu já esperava. 24 horas [desaparecida]. Ela não ficava duas horas fora de casa, era escola-casa, escola-casa”, afirmou o motorista Waldir Nery.

O pai contou que foi avisado por um colega que o alertou para ir até o local onde o corpo foi achado, dizendo que a polícia “tinha encontrado algo”.

Segundo o pai da jovem, Yasmin era ótima filha e ótima aluna e havia ganhando uma bolsa integral este ano para estudar em uma escola particular de Araraquara. A escola suspendeu as atividades na terça-feira (11).

No domingo (9), ela saiu de casa dizendo que ia a um show com um amigo, mas a família descobriu que ela estava com um adolescente de 17 anos, suspeito do crime.

“Ela saiu de casa umas 16h30 e as 17h a mãe dela ligou e ela ainda atendeu. Ela disse que tinha ido com um colega que a gente conhece, mas aí a mãe ligou para confirmar e o moleque não estava com ela não, era esse outro, ela mentiu”, contou Nery.

A estudante Yasmin da Silva Nery, de 16 anos, foi encontrada morta em Araraquara — Foto: Reprodução/Facebook

A estudante Yasmin da Silva Nery, de 16 anos, foi encontrada morta em Araraquara — Foto: Reprodução/Facebook

Yasmin e o suspeito haviam se conhecido em um show ao lado do Teatro Municipal, no sábado, segundo o pai.

“Esse show foi fatal, conheceu no sábado, morreu no domingo. Marcou encontro para o domingo para ir ao Sesc, mas com certeza ele fez a cabeça dela para vir para cá [na casa dele].”

O pai disse que chegou a falar com o suposto assassino da filha na noite de domingo e o rapaz disse que tinha estado com Yasmin. “Ele estava diferente, desconversando”, contou.

Comente usando o Facebook

Publicidade