Suspeito de atropelar servidor da Funjope é argentino e pode responder por homicídio culposo

Se apresentou a polícia o motorista suspeito de atropelar e matar Adriano Fidelis, servidor da Funjope. O possível condutor do veículo é um argentino, de 46 anos. O homem trabalha em uma montadora de veículos na área de tecnologia. Ele estava acompanhado pelo advogado quando foi à Central de Polícia, no bairro do Geisel, em João Pessoa, na tarde desta terça-feira (11).

De acordo com informações apuradas com exclusividade pelo repórter Flávio Fernandes, da TV Tambaú, durante depoimento o homem alegou não ter ingerido bebida alcoólica em razão de ter se vacinado no dia 28 de dezembro e estar sob reação da vacina. Ele argumentou que saiu com uma namorada na madrugada do dia 1º de janeiro (dia do acidente) e cochilou ao volante na volta pra casa. O suspeito afirmou não ter percebido a gravidade do acidente e seguido pra residência após a colisão.

Enquadrado

O homem deve responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e omissão de socorro. Segundo a Polícia Civil, caso a perícia aponte atenuantes como excesso de velocidade no veículo, por exemplo, a penalidade pode ser agravada – ou transformada em homicídio doloso.
Ele, contudo, foi liberado pela polícia porque não há mais flagrante. O homem pode ser acionado em sequência para prestar novos esclarecimentos.

Atropelamento

Adriano foi atropelado no bairro de Tambaú no último sábado, dia 1 de janeiro de 2022. Imagens obtidas com exclusividade pela Rede Tambaú de Comunicação mostram o momento da colisão. Nas imagens é possível ver a vítima conduzindo sua moto, quando é atingido por um veículo em alta velocidade. Na sequência, Adriano é arremessado sobre um carro estacionado do lado direito da via. O condutor do carro que atropelou o rapaz, segue o curso e não presta socorro à vítima.

Fonte: T5

Comente usando o Facebook