segunda-feira, maio 27, 2024
spot_img
HomeGeralBaixo consumo de soja beneficia pessoas com síndrome metabólica

Baixo consumo de soja beneficia pessoas com síndrome metabólica

Baixo consumo de soja beneficia pessoas com síndrome metabólica.

De acordo com estudo, um dos aspectos positivos é o aumento da resistência à insulina. Agência Notisa – Vários estudos demonstram que o consumo regular de soja diminui o risco cardiovascular e de diabetes e pode melhorar parâmetros relacionados à síndrome metabólica. No entanto, grande parte deles preconiza que pacientes consumam diariamente 25g ou mais de proteína de soja, quantidade considerada alta e não bem tolerada por eles. Assim, Larissa Danielle Bahls, do departamento de Patologia, Análises Clínicas e Toxicológicas da Universidade Estadual de Londrina, e outros pesquisadores, investigaram se um baixo consumo diário de soja poderia apresentar os mesmos benefícios para a saúde de indivíduos com essa síndrome. “Considerando sua alta incidência, torna-se fundamental que se desenvolvam maneiras de prevenir  e tratar a síndrome metabólica. Vários estudos relacionam o padrão dietético com fatores de risco cardiovascular e demonstram que uma dieta rica em frutas, legumes, vegetais e grãos integrais reduz o risco de resistência à insulina e síndrome metabólica. No entanto, uma dieta composta por grãos refinados, carnes vermelhas, manteiga e produtos lácteos ricos em gordura aumenta o risco de síndrome metabólica”, dizem os autores na pesquisa. Segundo o estudo, o consumo diário de proteína de soja é capaz de reduzir os níveis sanguíneos de colesterol total, lipoproteína de baixa densidade (LDL) e triacilgliceróis e de aumentar os níveis plasmáticos de HDL. No entanto, essas mudanças dependem do nível e da duração da ingestão de proteína de soja, além do sexo e da concentração inicial de lipídios séricos dos pacientes. “Outros efeitos benéficos da ingestão de proteína de soja são a melhora no perfil glicêmico por meio da redução da glicemia e da diminuição de resistência à insulina e a redução da inflamação sistêmica mediante o aumento dos níveis séricos de adiponectina, uma substância com ação anti-inflamatória secretada pelos adipócitos. A adiponectina é inversamente relacionada com a resistência à insulina, assim, quanto menor o nível plasmático desta, maior o risco de desenvolvimento de diabetes melito tipo 2 e de síndrome metabólica”, explicam os autores. Somado a esses benefícios, a pesquisa ainda mostra que as isoflavonas presentes na soja podem reduzir o estresse oxidativo e melhorar a capacidade antioxidante total do plasma. Na investigação, realizada com 40 pessoas com síndrome metabólica, os pesquisadores verificaram que o consumo de uma baixa quantidade de soja por 90 dias, além de bem tolerado pelos pacientes, foi capaz de melhorar vários parâmetros relacionados à fisiopatologia da síndrome metabólica. “Conclui-se que a ingestão diária de uma baixa quantidade de soja, contendo apenas 12,95g de proteína de soja, além de bem tolerada pelos pacientes, foi capaz de melhorar a resistência à insulina, os níveis de HDL e adiponectina”, afirmam. A pesquisa “Avaliação do consumo de uma baixa quantidade diária de soja no estresse oxidativo, no perfil lipídico e inflamatório e na resistência à insulina em pacientes com síndrome metabólica” está na edição de agosto dos Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. Para ver o artigo na íntegra, acesse: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302011000600006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.
Agência Notisa

Comente usando o Facebook

DESTAQUES
spot_img
spot_img

Popular

plugins premium WordPress