Ingá:Robério Burity afirma que Lula é ladrão e Manoel da Lenha cachaceiro

Campanha Eleitoral chegou ao mais baixo nível dos últimos tempos.

Na quarta-feira da semana passada, dia 26, na palestra realizada pelo ex-prefeito Antonio Burity no bairro de Jardim Farias, surpreendentemente, a palavra mais ouvida no discurso do candidato foi “guerra”. Ele publicamente  declarou guerra na campanha eleitoral.

Os eleitores ingaenses estão estranhando essa nova postura do ex-prefeito Antonio Burity, que sempre fez suas campanhas mostrando seus feitos e propostas sem discursos agressivos e músicas provocativas, quando se deu bem na maioria das campanhas eleitorais. Nesta, o tom tem sido outro.

Já na palestra realizada neste domingo a noite na Rua Nova do Cruzeiro, o tema mais abordado pelos oradores foi a suposta tentativa de agressão que Antonio Burity diz ter sofrido por parte de Manoel da Lenha. Isto foi divulgado durante todo o dia pelos carros de som da campanha de Burity na cidade e nos Distritos de Pontina e Chã dos Pereiras.

Ainda na palestra deste domingo a noite, fugindo das características da família Burity, vários discursos inflamados e exaltados foram proferidos pelo candidato, Antonio Burity e seus filhos, Roberto e Robério.

Robério, num discurso confuso, ora dizia que era evangélico e da paz, ora falava em guerra, matar e classificar os adversários de ladrão e cachaceiro. Em determinado momento do seu discurso bélico, Berinho desafiou Manoel da Lenha o chamando pra briga em qualquer canto da rua, e em seguida afirmou:  ” Agora saiba que homem não se bate, homem mata”. Em outro trecho, Berinho, em tom transtornado afirma que: “Temos três candidatos, um que vive embriagado desacatando o povo que vocês já conhecem, o outro que o Tribunal já provou, é um ladrão !!!!, tira o dinheiro do povo para se auto enricar…”

Berinho negou que seu pai vá aderir a campanha de Lula. Essa negativa do ex candidato a vice Berinho se deu em razão de comentários na cidade de que Burity e seus aliados iriam pedir votos para Lula na véspera da eleição e que haveria um acordo secreto entre eles, bem como um acordo entre Berinho e o secretário de finanças, Marcinho. Estes comentários são alimentados pelos próprios cabos eleitorais do amarelo e por pessoas que fazem parte da campanha de Burity, que além de se vestirem de vermelho participam de passeatas de Lula, inclusive candidatos do 11 e seus familiares. Berinho negou em seu discurso, afirmando que seu pai vai até o fim.

No comício de encerramento do candidato Manoel da Lenha, no sábado 29, este negou veementemente os fatos alegados por Burity e atribuiu esta conduta do ex-prefeito, em razão do desespero por estar vendo a derrota se aproximando, perdendo assim totalmente a compostura e apelando para se fazer de vítima na tentativa de sensibilizar o eleitor. Manoel retrucou a acusação de embriagues, alegando que quem vive embriagado é o filho de Burity que no passado assassinou duas jovens ingaenses na véspera de natal, quando dirigia irresponsavelmente embriagado e bateu com o carro na estrada do hotel cruzeiro em um carroção de trator, sendo uma das vítimas uma menor de 15 anos.

O prefeito Lula, antes do início da campanha, já havia acionado na justiça o ex-prefeito Burity em razão de acusações feitas em entrevista na radio comunitária Ingá FM. Desta vez, Robério Burity foi mais contundente em suas acusações publicamente.

Aos eleitores fica a pergunta:

O que tudo isso tem a ver com a administração de nossa cidade?

É lamentável que a campanha tenha chegado a este nível, enquanto os reais problemas da cidade não são discutidos.


 

Temas interessantes como:  nomeação dos concursados, o aterro sanitário e lixão, a questão jurídica dos barraqueiros da praça, a exploração turística das Itacoatiaras, projetos para o eterno problema das valas, a falta de água nos bairros da parte alta, o medíocre desempenho das nossas escolas públicas no IDEB, medidas preventivas contra as enchentes do rio Ingá, um plano diretor para a cidade, a gestão plena da saúde que não tem médico nos fins de semana, só para citar alguns temas mais urgentes que não estão na pauta dos candidatos.

Factoides, questões pessoais e a vida particular é o tema dominante na campanha, infelizmente, levando propositalmente o povo ao perigoso fanatismo desenfreado que cega e gera violência, fazendo com que as pessoas na hora do voto sejam conduzidas pela EMOÇÃO  e não pela RAZÃO.

Em tempo, comunicamos que as pessoas citadas na matéria acima tem espaço garantido, caso queira justificar algo.

 

 

 

 

 

Comente usando o Facebook