Publicidade

A Ordem dos Advogados do Brasil na Paraíba (OAB-PB) entrou com duas representações, no Ministério Público e na Polícia Federal, solicitando a abertura de processo e inquérito policial contra um jovem que postou um vídeo no qual aparece fazendo críticas que o órgão considerou ofensivas à Paraíba. Os documentos foram protocolados respectivamente nos dias 28 e 25 de novembro. A entidade pede que o autor do vídeo seja indiciado por preconceito racial.

O vídeo foi postado em 18 de novembro e gerou repercussão nas redes sociais. O autor, Júlio Duamel Omar Fuentes, começa com uma crítica aos motoristas paraibanos, a quem chama de “Paraíba”. Na sequencia, ele diz que foi mal tratado no estado onde, segundo ele, não há mulheres e é “cheio de veados passeando na beira da praia”. O vídeo é concluído com o conselho: “Paraíba é uma b****, não venha à Paraíba, não venha a João Pessoa”.

Internautas da Paraíba fizeram uma mobilização contra o vídeo e, no dia 22, o termo #PBcomORGULHO chegou a ser o terceiro mais citado no microblog Twitter. No mesmo dia o presidente da OAB-PB, Odon Bezerra, disse que entraria na Justiça contra Júlio Duamel.

Nesta quinta-feira (1º), Odon Bezerra disse que a atitude de Júlio foi muito grave e ele desrespeitou todo o estado. Segundo ele, as representações impetradas junto ao Ministério Público e à Polícia Federal são as primeiras providências e outras medidas não estão descartadas. O presidente disse ainda que OAB continua acompanhando as atitudes do autor do vídeo.

No dia em que o vídeo gerou polêmica Júlio Duamel falou com a imprensa. Ele negou que tivesse sido preconceituoso e defendeu o direito de expressão. O rapaz explicou que estava muito irritado com a viagem à Paraíba por ter sido chamado de ladrão em função do sotaque paulista e por não ter achado opções noturnas para se divertir em João Pessoa. Ele contou à reportagem que foi ao estado para fechar negócios.“Os paraibanos é que são racistas. Eles que se colocam numa situação de inferioridade”, afirmou.

Ele disse ainda que considerava maior desrespeito o que vinha sofrendo desde que postou o vídeo. Segundo ele, milhares de pessoas fizeram ligações para o seu celular e telefone de sua empresa para ameaçá-lo. Na época, o internauta garantiu que não tiraria o vídeo do ar. Ele permanece postado no Youtube e já tem mais de 70 mil acessos.

 

G1 PB

 

Comente usando o Facebook

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here