Publicidade

Uma menina de apenas cinco anos morreu após tomar uma medicação na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Quietude em Praia Grande, no litoral de São Paulo, na última sexta-feira (14). A família acusa os médicos de negligência. A Secretaria de Saúde Pública da cidade informou que o atendimento transcorreu ‘dentro dos padrões e diretrizes determinados pelos órgãos de Saúde’.

Jefferson Silvério de Lima tem 28 anos e é pai da menina Gabrielly. Ele conta que a filha começou a ter febre na noite de quinta-feira (13) e foi levada, pela mãe da criança, a UPA Quietude pela manhã.

“Ela estava com uma febre leve, mas minha esposa decidiu levar para a UPA. Eles fizeram exame de sangue nela e o médico suspeitou de dengue. Depois, ele aplicou uma injeção que, para a gente, eles falaram que foi Dramin”, relembra.

Gabrielly recebeu alta após a injeção e foi para casa. Poucas horas depois, a menina voltou a passar mal. “Ela não quis comer, pediu só um copo de água. Em seguida, a minha filha paralisou, ficou desacordada, não ouvia a minha mulher. Foi um desespero.”

Gabrielly, de 5 anos, morreu após tomar medicação em unidade de saúde de Praia Grande (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Gabrielly, de 5 anos, morreu após tomar medicação em unidade de saúde de Praia Grande (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Comente usando o Facebook

Publicidade