Publicidade

O sargento reformado da Polícia Militar da Paraíba, Antônio Rêgo Sobrinho, mostrou toda a sua homofobia – aversão a homossexuais – ao ser preso pela Polícia Civil como sendo autor do assassinato da travesti Ana Sofia, 16 anos, no sábado (8), em uma praça no bairro Funcionários II, em João Pessoa. O policial confessou que matou o LGBT e disse em depoimento que veio ao mundo para exterminar os homossexuais.

Ao participar nessa quarta-feira (12) ao vivo no programa Cidade Alerta Paraíba, TV Correio/ Record TV, o delegado Reinaldo Nóbrega, titular da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, explicou com detalhes o crime, que foi elucidado pela especializada.

“De fato, foi um crime de conotação homofóbica, mas nesse caso é transfóbica por se tratar de uma travesti. O sargento foi claríssimo ao afirmar que veio ao mundo para acabar com os homossexuais e, por isso, matou Ana Sofia. O policial já tem um histórico de agressão a homossexuais tendo em vista que ele respondia em liberdade a um crime praticado há dois anos. O suspeito morava no mesmo bairro da vítima”, disse o delegado.

O sargento foi preso na cidade de Teixeira, no Sertão do estado, na casa de parentes após investigações da Homicídios de João Pessoa. Reinaldo Nóbrega disse ainda que o policial tentou fugir, mas como o local estava cercada o  suspeito se entregou.

O policial foi levado para a sede o 1º BPM onde está à disposição da justiça. O sargento Antônio Rego vai responder por homicídio qualificado.

PB HOJE

Comente usando o Facebook

Publicidade