Perícia para o seguro DPVat é marcada para 2013.

Cerca de 2 mil paraibanos esperam na fila para agendar uma perícia e dar entrada no Seguro Por Danos Pessoais Causados Por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVat). O exame é requerido em João Pessoa, no Instituto de Polícia Científica (IPC), que só realiza 10 perícias diárias para o DPVat e os agendamentos só podem ser marcados para 2013. Isso significa que os lesionados por acidentes que necessitarem do seguro correm o risco de perder o benefício pelo atraso de, no mínimo, um ano entre a data do acidente e de requisição do seguro.

Este é o caso da merendeira de escola pública, Maria Celeste do Nascimento, 63 anos, que mora no José Américo, na Capital. Ela precisa dar entrada no DPVat e marcou exame anteontem, quarta-feira, 21, no IPC, porém o procedimento só pôde ser agendado para o dia 7 de fevereiro do ano que vem.

Maria Celeste fraturou o punho e teve uma fratura exposta no rádio, ambos no braço direito, quando tentou entrar em um ônibus para ir fazer feira, no dia 18 do mês passado. O motorista da Empresa Santa Maria, que fazia a linha 1510, não esperou ela entrar e arrancou o veículo quando a senhora entrava no ônibus. A queda resultou no implante de três pinos no braço após uma espera de três semanas no Ortotrauma, o Trauminha de Mangabeira, pela cirurgia.

“Há mais de um mês não trabalho porque ainda estou impossibilitada. Como meu cargo é de prestadora de serviços, corro o risco de perder meu emprego e não tenho outra fonte de renda. Necessito do seguro urgentemente, nem que seja para cobrir as despesas com medicamentos e exames, mas essa espera de um ano não só prejudica minha situação atual, como pode me fazer perder o benefício. Como vou provar em uma perícia que meu braço esteve mal, depois de um ano que em machuquei?”, indagou Maria Celeste.

De acordo com o diretor em exercício do IPC, o gerente de identificação civil e criminal, Israel Aureliano, a marcação de exames para o DPVat acontece diariamente e são realizadas 10 perícias ao dia para o seguro por três médicos. “São cerca de 200 exames por mês, contudo, não dispomos de uma quantidade de peritos médicos suficiente para adiantar os procedimentos. Devemos ter de 1800 a quase 2 mil pessoas na fila de espera para realizar a perícia”, adiantou.

Mais peritos
O Diretor do IPC, Humberto Jorge de Araújo, estava em Brasília e deve retornar à Paraíba ainda hoje. Israel Aureliano ainda explicou que a Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), órgão do IPC responsável pela execução das perícias pro DPVat, estuda uma possibilidade de agilizar e antecipar os atendimentos dessa fila de espera. Além disso, ele ainda informou que o corpo de médicos peritos foi ampliado neste ano com recentes nomeações de concursados que aguardavam iniciar suas atividades.
Por Marconi.

 

Comente usando o Facebook

plugins premium WordPress