Publicidade

Após cerca sete horas de debates acalorados entre Promotoria e Defensoria Pública, por maioria dos votos, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca de Ingá, absolveu o réu Flávio Lopes Soares, mais conhecido como “Novinho” da cidade de Itatuba.

Novinho, réu confesso, estava preso há dois anos e respondia pelo assassinato à pauladas e pedradas de Josemar Leal da Silva, vulgo “Tanzinho”, crime este ocorrido no bairro de Santo Antônio, Itatuba, em 23 de março de 2013.

Mesmo diante da brilhante atuação do renomado promotor de justiça, Marinho Mendes Machado, a defensora pública Francisca de Fátima Pereira Almeida Diniz, conseguiu convencer a maioria dos jurados que Novinho agiu em legítima defesa repelindo uma agressão por parte da vítima, a qual teria desferido uma garrafada na cabeça do réu, uma vez que a vítima era tida como pessoa perigosa e já havia agredido a mãe do réu com socos, em outra ocasião.

juri 1

Os acirrados debates foram à réplica e tréplica. Em sua magnífica explanação, que é uma verdadeira aula, o promotor Marinho sustentava a tese de que a vítima foi assassinada friamente enquanto dormia embriagado na casa do réu, após uma noite de bebedeira. Já a defesa, baseada no depoimento do réu, sustentava com ênfase que o mesmo foi agredido injustamente antes de agir e matar a vítima.

A sessão foi presidida pelo juiz de direito, Dr. Glauco Coutinho Marques, que ao final fez a leitura da sentença absolutória proferida pelos jurados em votação secreta.

VÍDEO MOSTRA A LEITURA DA SENTENÇA PELO JUIZ, DR. GLAUCO, CONFIRA:

O promotor de justiça, Dr. Marinho, recorreu da decisão dos jurados, podendo haver outro júri caso seja aceito seus argumentos. O réu vai aguardar o trâmite do recurso em liberdade, tendo recebido o alvará de soltura de imediato. A decisão foi comemorada ao lado de sua mãe e familiares presentes ao júri.

Flavio novinho

Inga Cidadao

Comente usando o Facebook

Publicidade